quinta-feira, 18 de abril de 2013

"Eu era roqueira. Comecei no funk por destino", confessa Anitta em entrevista exclusiva ao R7

Funkeira virou musa dos fãs do ritmo, mas diz ter mudado de estilo várias vezes

anitta
Anitta, musa do funk, já foi roqueira e tinha estilo bem diferente do atual


Quem vê a bela Anitta cantando e dançando funk talvez nem imagine que a morena já teve um estilo bem diferente.
Com os hits Meiga e AbusadaMenina Má e Show das Poderosas, Anitta se tornou musa do funk, mas revelou com exclusividade ao R7 que virou funkeira quase que sem querer.
— Eu era roqueira. Andava toda de preto, ouvia bandas que ninguém conhecia, tinha piercing, alargador e tudo. Eu comecei a cantar funk por destino. Botei um vídeo na internet cantando e dançando funk , zoando, imitando gente, fazendo teatrinho, fazendo palhaçada mesmo. Eu sempre curti de tudo, mas na época eu também ia para festas de funk, só que um produtor me viu nesse vídeo. E era um produtor de funk.
Para quem fica chocado só com essa informação, Anitta prepara mais algumas surpresas.
 — Por mais que eu ouvisse rock, eu ouvia de tudo. Eu mudava os estilos. “Essa fase eu sou do reggae”, aí eu fazia um dread e ficava de saião [risos]. Fui passeando pelos estilos. E até hoje eu gosto de tudo. Cresci ouvindo músicas do meu avô, do meu pai. Ouço muito internacional, MPB. A primeira vez que eu entrei no carro do meu motorista, ele botou num programa de funk. Tem uma rádio no Rio de Janeiro que só toca música velha, do tempo dos nossos avós. Aí eu falei pra ele colocar na tal rádio e ele “Quê?”, aí eu “eu só escuto isso" [risos].
Antes do funk, Anitta fazia shows em igrejas, bares de dança de salão, casamentos e festas de aniversário. Até o dia em que ela foi apresentada ao americano Steve B, que é produtor e compositor.
— Fiz um teste, passei e comecei no funk por acaso. Não foi algo tipo "ai, eu vou cantar funk". Desde criança eu só queria ser artista, mas não pensava em um estilo específico.
Anitta nunca estudou música! Ela aprendeu muito ouvindo o avô, que sabia tocar vários instrumentos.
— Comecei a cantar com sete anos na igreja com meu avô. Ele tocava de tudo! Saxofone, teclado, gaita e eu cantava desde muito cedo com ele. De tanto ouvir as músicas, acabei pegando referências para mim.
Entre as influências de Anitta estão também Mariah Carey e Beyoncé. Esse lado pop é visível em seus shows, que são verdadeiras superproduções.
— Minha empresária me dá asas. Ela fala "O que você quer fazer agora? Quer cair? Quer voar? Quer entrar voando no palco"? [risos]. Eu já entrei de limousine e fiz um show para 6 mil pessoas no Rio, em que tinhamos 30 bailarinos no palco e a abertura era feita com a minha sombra e a sombra dos bailarinos projetadas em tecidos enormes.
Ao lado dos dançarinos, Anitta não faz feio. Tudo porque a gata também é profissional na dança.
— Eu dava aula de dança de salão, de samba, tango, salsa, bolero. 
E ela continua a surpreender. Anitta é formada em administração e fala inglês fluentemente. Agora, ela está estudando para melhorar em vários aspectos.
—Estou fazendo fono, canto, violão e teatro também, para desenvolver tudo. Para ser artista e trabalhar com isso, tem que desembolsar uma grana e investir em você mesmo.
A funkeira conta ainda que seu CD de estreia terá composições próprias e será baseado em todo o seu ecletismo.
— Vai ter reggae, vai ter pop, vai ter hip hop, vai ter de tudo. Não tem como só cantar funk. Misturar é muito bom!


Postar um comentário